Após pagar R$35 por máscara, governo do TO pede que MPF investigue se empresa praticou sobrepreço

Na semana passada, Secretaria de Saúde comprou 12 mil máscaras por R$ 420 mil. Governo afirmou que foi obrigado a comprar o material por causa da demanda urgente.

O governo estadual afirmou nesta terça-feira (7) que pediu ao Ministério Público Federal (MPF) para investigar se um fornecedor de máscaras praticou crime contra economia popular ao aumentar o preço dos itens. O pedido ocorre dias após o governo comprar 12 mil máscaras, em dois contratos, pelo valor somado de R$ 420 mil. Nestas duas compras, cada item saiu por R$ 35.

Na semana passada os próprios órgãos de fiscalização informaram que iriam acompanhar de perto as compras feitas pelo Estado durante a pandemia da Covid-19. Isso porque o governo publicou decretos de emergência e calamidade que permitem compras de itens sem licitação.

Conforme o governo, o Estado se viu obrigado a adquirir o material do fornecedor por causa da urgente necessidade de atender aos profissionais de saúde.

"A medida teve que ser tomada também pelo cancelamento de contratos, a pedido das empresas, que já existiam na Secretaria da Saúde com outras empresas que praticavam menor preço", afirmou a Secretaria de Comunicação.

O governo afirmou ainda que tem feito contato com empresas de outros estados par buscar materiais com preço justo e está tentando evitar compras sem licitação. Também disse que vai abrir uma sindicância para apurar o ato de compra.

Durante a tarde o MPF confirmou que a investigação foi aberta pela procuradoria em Palmas.